Veja 6 dicas essenciais sobre como reduzir o FAP na sua empresa - Previnsa - Soluções em Segurança do Trabalho
Capacitação

Veja 6 dicas essenciais sobre como reduzir o FAP na sua empresa

O Fator Acidentário de Prevenção (FAP) é um indicador importante que mede os investimentos de uma empresa em relação à segurança do trabalho. Quanto maior ele for, maior é a alíquota sobre a folha de pagamento destinada ao Risco Ambiental do Trabalho (RAT). Então, saber como reduzir o FAP é essencial.

Com a diminuição desse índice há, em primeiro lugar, uma economia no pagamento de impostos. As ações também aliviam os custos com perdas de produtividade e com acidentes, além de melhorarem questões como absenteísmo e rotatividade. No geral, há um aumento na proteção da integridade e da saúde do trabalhador.

Para ter sucesso na tarefa, veja 6 dicas de como reduzir o FAP.

1. Faça um levantamento de riscos

Para conseguir lidar com o problema é preciso, em primeiro lugar. dimensioná-lo. Então, tudo começa com o levantamento dos riscos do ambiente de trabalho, por menores que eles sejam.

Faça uma análise com todas as atividades e locais que são utilizados na empresa. A partir daí, levante os riscos associados. Em ações específicas, como no trabalho em altura, há questões próprias que devem ser consideradas.

Também é importante ter em mente aspectos referentes à ergonomia e elementos relacionados. A intenção é compreender tudo o que pode afetar o desempenho seguro dos funcionários.

A partir do levantamento dos riscos, é recomendado realizar uma priorização. Veja quais são os mais urgentes ou que têm maiores impactos. Dessa forma, é possível agir sobre os que exigem uma atenção reforçada.

2. Aprimore as políticas de saúde e segurança do trabalho

Já que a intenção é saber como reduzir o FAP, é indispensável ter uma atuação direcionada e capaz de aumentar a proteção dos trabalhadores. Nesse sentido, vale a pena estabelecer uma Política de Saúde e Segurança do Trabalho (PSST).

Ela compreende todas as estratégias voltadas para a prevenção de acidentes e doenças ocupacionais. Sua aplicação permite tratar os riscos identificados, além de melhorar o controle sobre os índices.

A atuação preventiva é essencial para diminuir a sinistralidade, o que leva à diminuição do FAP. É importante que as políticas sejam revistas e atualizadas conforme as necessidades do empreendimento e seus riscos pontuais.

3. Melhore a classificação da taxa de frequência

A taxa de frequência (TF) é um dos principais elementos que influenciam no FAP. Basicamente, corresponde à previsão sobre o número de acidentes em relação ao total de horas de exposição ao risco.

Ela serve para indicar a sinistralidade, como a ocorrência de concessão de benefícios e mortes por acidente de trabalho.

Para entender esse conceito é preciso compreender, primeiramente, os benefícios concedidos. São eles:

  • B91: auxílio-doença por acidente de trabalho;
  • B92: aposentadoria por invalidez causada por acidente;
  • B93: pensão por morte por acidente no trabalho;
  • B94: auxílio-acidente de ocorrência no ambiente laboral.

O cálculo, então, é dado por:

Índice de frequência = [(Número de benefícios B91, B92, B93 e B94 + Número de Comunicações de Acidente de Trabalho de óbito (CATs) sem B93 – Número de pensões por morte) / Número médio de vínculos trabalhistas] x 1000

Dessa maneira, é possível trabalhar de modo a diminuir o número de acidentes. Quanto menor ele for, menor é o impacto negativo sobre o FAP. Essa avaliação tem que ser frequente e consistente, com boas metodologias de cálculo e máximo acompanhamento. Assim, a empresa consegue verificar a evolução dentro de certo período e descobrir quais são as principais necessidades.

4. Promova a conscientização dos trabalhadores

A empresa não tem que pensar em como reduzir o FAP sozinha. A atuação de todos é importante, o que significa que os funcionários devem passar por um processo de conscientização.

Demonstre, em primeiro lugar, que o cuidado com a segurança é responsabilidade de todo mundo. Apresente a importância de seguir boas práticas, como o uso de EPIs e de outros equipamentos. Aproveite para levantar os riscos de comportamentos imprudentes ou que não seguem as orientações.

Entre as ações estão a Semana Interna de Prevenção de Acidentes de Trabalho (SIPAT). Com o uso do conhecimento de especialistas e mesmo com a participação de outros colaboradores, todo o time se torna consciente da importância de agir com responsabilidade e atendimento às boas práticas.

Comente, também, sobre a relevância de reduzir o FAP. Com menos custos nesse sentido a empresa consegue equilibrar as contas e se manter no mercado, com possibilidade de crescimento — e isso é benéfico para os envolvidos.

5. Invista em consultorias e treinamentos

Para fortalecer a participação dos colaboradores na proteção contra acidentes, é muito importante reforçar o conhecimento de todos. As pessoas devem estar preparadas para situações de emergência, como incêndios, e têm que saber como agir.

Para tanto, é recomendado investir em treinamentos especializados. Ao contratar uma empresa de qualidade e capaz de transmitir os conhecimentos certos, fica mais fácil incorporar o hábito em relação à proteção no ambiente de trabalho. Garanta que esses procedimentos aconteçam de um jeito constante, para atualizar e reforçar conceitos.

Além de contratar empresas, também é interessante pensar em recomendações realizadas de maneira interna. O Diálogo Diário de Segurança (DDS) é um jeito de expressar as formas de agir na jornada de trabalho, com uma pequena duração de 15 minutos. Todas as ações voltadas para o aprendizado, portanto, são bem-vindas.

Recorrer a consultorias é outro investimento interessante. Com o apoio de especialistas no tema é possível identificar as principais falhas e quais são os pontos que precisam de mais atenção.

6. Cuide da documentação

A análise do índice é feita, principalmente, com base em documentações diversas, como as Comunicações de Acidente do Trabalho (CAT). Se a intenção é saber como reduzir o FAP, é indispensável que todos os documentos sejam armazenados e apresentados da forma adequada.

Isso significa, por exemplo, fazer registros das ações voltadas para a conscientização e prevenção. Os investimentos têm que ser exibidos de modo estruturado, para que possam ser avaliados.

A presença da consultoria é essencial para que nenhum documento seja esquecido. Além de tudo, é um modo de garantir que todos os aspectos sejam respeitados e otimizados, o que leva à redução do valor do índice.

Saber como reduzir o FAP em seu empreendimento é essencial para pagar menos impostos e, principalmente, proteger a força de trabalho. Com essas ações, o índice se torna favorável à empresa e os resultados são colhidos em curto, médio e longo prazo.

Já que essa etapa é tão importante, aproveite para conferir o nosso outro artigo com as 4 medidas relevantes para a prevenção de incêndios. Boa leitura!

Você pode gostar
ISO 45001/18: conheça tudo sobre a norma
NR 18: o que você precisa saber sobre esta norma regulamentadora

Deixe seu comentário

Seu Comentário*

Seu Nome*
Seu Site

Share This