Guia de Plano de Emergência de uma Empresa - Previnsa
SSMA

Plano de emergência: um guia para tirar as suas dúvidas

Plano de emergencia um guia para tirar as suas duvidas

Para uma empresa que prioriza a segurança de sua equipe de colaboradores, o plano de emergência — também chamado de PDE — é uma ferramenta indispensável.

Ele deve ser elaborado da maneira correta, para garantir que, no momento de seu acionamento, tudo transcorrerá de modo eficiente. Neste post, vamos esclarecer as principais dúvidas sobre esse assunto. Confira!

1. O que é plano de emergência?

O plano de emergência nada mais é do que uma estratégia elaborada para garantir que será possível evacuar a empresa com segurança, caso ocorra um incidente com maiores proporções.

Ele pode ser o responsável por salvar a equipe em situações de incêndio, além de casos de explosão ou desabamento, por exemplo.

Se você quiser uma definição mais técnica, esta pode ser encontrada na Norma Técnica P4.261 da CETESB, que se refere a “riscos de acidente de origem tecnológica”.

2. Por que esta ferramenta é importante?

A elaboração do plano de emergência demanda um investimento considerável por parte da empresa — tanto de tempo quanto de dinheiro. Porém, os benefícios desta ferramenta ultrapassam muito seu custo, tornando a relação vantajosa.

Durante um incidente, é natural que os colaboradores entrem em um estado de pânico. Porém, embora natural, isso pode prejudicar ainda mais a segurança dos envolvidos.

É devido a decisões tomadas no momento de pânico que os indivíduos ficam presos nos elevadores ou interditam as escadas, o que acaba impedindo uma evacuação segura.

Além disso, também podem ocorrer quedas e pisoteamentos em meio à correria, ocasionando mais acidentes.

No entanto, quando a empresa tem um PDE, os colaboradores já sabem como devem proceder diante de um incidente. Alguns deles, como veremos adiante, são treinados para colaborar na organização do fluxo de atividades. Isso elimina os transtornos adicionais que mencionamos acima, comuns em situações de emergência.

Além da questão humana, que é a principal, o plano de emergência também pode levar em consideração questões materiais.

Em outras palavras, ele pode prever medidas para proteger, pelo menos, os principais equipamentos e maquinários da empresa.

Um ponto interessante é que são os Bombeiros que determinam se a empresa precisa ou não de um plano de emergência. Portanto, o PDE é necessário para manter a empresa dentro da legalidade, atendendo às Instruções Técnicas do Corpo de Bombeiros.

Eles coletam informações durante a visita para o Auto de Vistoria (AVCB) e, conforme as características observadas, incluem a criação do PDE no relatório de inspeção.

Mas é claro que, mesmo que essa exigência não seja feita pelos Bombeiros, a criação do PDE é sempre uma garantia de segurança para a empresa e seus colaboradores.

3. Quem é responsável por criar o plano de emergência?

A criação do plano de emergência entra, principalmente, nas atribuições do responsável por Saúde, Segurança e Meio Ambiente — SSMA. Conforme a estrutura organizacional da empresa, esse profissional pode fazer parte da equipe de RH da empresa, pode estar inserido na área operacional ou, até mesmo, constituir um setor à parte.

Porém, como o plano de emergência é vital para todos os colaboradores, o gestor de SST não precisa atuar sozinho na sua elaboração.

Ele pode contar com o auxílio dos gestores de todas as demais áreas, que trarão informações importantes para o planejamento da estratégia de evacuação.

Além dos próprios funcionários , também é possível contar com o apoio de uma consultoria especializada para elaborar o PDE. Dessa maneira, você terá a certeza da qualidade e eficiência do plano desenvolvido para a empresa.

4. Como desenvolver o plano de emergência na empresa?

Vale a pena começar explicando que o plano de emergência de uma empresa não será igual ao plano de outra. Embora existam modelos que podem ser utilizados como base, cada empresa terá que adaptar sua estratégia à própria realidade, baseado em uma análise de riscos.

Algumas empresas podem precisar de um plano que inclua procedimentos para lidar com a possibilidade de vazamentos químicos, por exemplo, enquanto outras não terão esse risco no seu PDE. Essas variações estão relacionadas a fatores que incluem desde o segmento de atuação da indústria até a localização física da empresa.

Depois de identificar os riscos, é preciso determinar a probabilidade de que eles se concretizem e a extensão potencial dos danos causados.

Essas informações poderão, inclusive, ser usadas para ajudar na priorização das atividades de SSMA. Considerando uma possível limitação de recursos da empresa, deverá ser priorizada a ação voltada aos riscos com maior probabilidade e maior potencial de danos.

É importante destacar que o plano de emergência, embora tenha principalmente um foco em como lidar com os riscos depois que eles efetivamente acontecem, também pode abarcar propostas para eliminar ou reduzir os riscos. Assim, ele inclui medidas preventivas.

Para completar, é importante que a elaboração do plano esteja atenta a eventuais Normas Reguladoras, exigências legais e às boas práticas industriais.

5. Como implementar o plano de emergência na empresa?

No momento de implementar o plano de emergência, a colaboração dos gestores de cada equipe será decisiva. Isso porque a implementação envolve preparar os colaboradores para agir da maneira correta durante um incidente.

É claro que nem sempre é possível fazer essa preparação com todos os colaboradores. Por isso, os gestores poderão ajudar indicando pessoas-chave nesse processo. Aqueles escolhidos para passar por treinamento terão a responsabilidade de organizar o demais, em caso de emergência.

Na preparação, dois elementos são de alta importância: comunicação transparente sobre os riscos dentro da empresa e realização de simulações e exercícios práticos. Nunca é demais ressaltar, também, que esses treinamentos precisam ser periódicos.

Para completar, a equipe de colaboradores selecionados precisa ser atualizada conforme mudanças circunstanciais. Por exemplo, se um dos colaboradores preparados para executar o PDE for desligado da empresa, é necessário escolher um novo indivíduo para assumir essa tarefa.

Como a sua empresa se posiciona diante da criação de um plano de emergência? Existe uma preocupação com essa ferramenta de segurança?

Conte para nós sua experiência com o desenvolvimento e a implementação do PDE, deixando um comentário neste post, ou aproveite para tirar outras dúvidas com a equipe da Previnsa!

Leia também nosso guia definitivo para montar plano de emergência contra incêndio

Deixe seu comentário

Seu Comentário*

Seu Nome*
Seu Site

Share This