7 erros mais comuns da segurança do trabalho na indústria - Previnsa - Soluções em Segurança do Trabalho
Capacitação

7 erros mais comuns da segurança do trabalho na indústria

De quem é a responsabilidade pela segurança do trabalho na indústria? Na verdade, todos devem prezar pela segurança própria e coletiva. Mas, de certa maneira, os gestores têm grande peso no assunto, visto que as pessoas nesse cargo são incumbidas pela criação políticas de segurança e promoção de treinamentos e programas de conscientização.

Com toda essa carga, pequenos erros podem acabar passando despercebidos. Porém, mesmo as pequenas falhas podem levar a acidentes de trabalho, que são capazes de afetar todas as esferas da sociedade. Se você quer saber quais são os 7 erros mais comuns na segurança do trabalho e aprender como evitá-los, é só continuar lendo esse artigo!

1. Falta de sinalização correta

A falta de sinalização é uma das grandes causas de acidentes. Cada colaborador precisa saber com o que está lidando, e é exatamente por esse motivo que existem duas normas para a sinalização no ambiente de trabalho.

A primeira delas, a NR-26, determina, inicialmente, a adoção de cores para os esquemas de sinalização. Já a próxima norma, a NBR 7195, estabelece cores específicas para cada tipo de sinalização. Por exemplo, a cor vermelha deve ser utilizada para identificar equipamentos de combate a incêndio. Já a cor amarela é um alerta, a cor branca serve para demarcar espaços e setas de circulação, e por aí vai.

2. Falta de conscientização sobre o uso do EPI

O EPI é indispensável em qualquer indústria, e o próprio empregador deve se responsabilizar por fornecer esses equipamentos. Mas só disponibilizá-los não é garantia de que eles serão utilizados corretamente. A princípio, um treinamento deve ser fornecido e políticas de conscientização devem ser criadas.

Uma supervisão constante também deve ser realizada, para se evitar, ao máximo, a ocorrência de acidentes. Por isso, é preciso esclarecer os colaboradores sobre a importância do uso correto do EPI — além de motivá-los a fazê-lo. Um exemplo de como fazer isso é promover alguma atividade ou comemoração quando se passar um certo número de dias sem acidentes.

3. Ausência de DDS

DDS é a sigla para Diálogo Diário de Segurança. Essa é uma técnica muito utilizada por grande parte dos técnicos em segurança do trabalho na indústria. Ela consiste em um diálogo realizado diariamente, antes do início do expediente, para orientar os colaboradores sobre as medidas de segurança.

Esse tipo de ação garante que todos realmente conheçam os procedimentos e passem a se atentar a eles após a conversa. Isso faz com que cada profissional se sinta responsável pela saúde e segurança individual e coletiva — o que, com certeza, contribui para a redução dos números de acidente de trabalho.

4. Longas jornadas de trabalho

Tanto o cansaço físico quanto o mental deixam as pessoas mais suscetíveis a distrações. E qualquer equívoco pode ser suficiente para causar um acidente de trabalho. Se isso ainda tiver atrelado a um cenário de muita pressão, o perigo é ainda maior.

Por isso, as empresas devem avaliar até que ponto uma cobrança está, ou não, sendo excessiva. Pode parecer uma boa ideia sobrecarregar um profissional para que ele produza mais, mas um acidente de trabalho só vai gerar um efeito contrário.

5. Manuseio incorreto de cargas

A coluna é um dos bens mais preciosos que o ser humano possui. Uma vez danificada, é quase impossível voltar ao normal — e bastam alguns segundos de sobrecarga para que esse dano irreversível seja causado. A quantidade de peso máxima que uma pessoa pode carregar varia de acordo com sexo, altura e massa muscular. Você concorda que uma moça baixinha não pode, biologicamente, carregar o mesmo peso que um homem de quase dois metros?

Por isso, treinamentos sobre o manuseio correto de cargas devem ser constantes. Aqueles colaboradores que estão sujeitos a essas atividades em seu cotidiano merecem uma atenção especial, com o investimento em ginástica laboral e promoção de campanhas de incentivo ao esporte e atividades físicas.

6. Comunicação ineficiente

A comunicação é o ponto chave de qualquer relação interpessoal. Se não for feita de maneira clara e efetiva, pode causar confusão ou desentendimentos. Isso não é diferente no âmbito da segurança do trabalho na indústria. Uma informação sem clareza pode gerar uma confusão que, por sua vez, pode levar a acidentes.

É importante escolher o meio correto e a linguagem adequada para cada situação. Quanto mais próxima for a linguagem utilizada pelo interlocutor, melhor a mensagem será efetiva. No caso de segurança do trabalho, o discurso empregado deve fazer com que as pessoas acreditem na importância das medidas adotadas — e não serem apenas uma ordem como qualquer outra. É preciso ser amigável e, ao mesmo tempo, firme.

Não adianta nada implantar uma rotina de DDS e recitar normas atrás de normas para a sua equipe, que vai perder o interesse já no primeiro minuto do discurso. Discutir casos reais pode ser uma estratégia bem mais eficaz.

7. Falta de atualização

Como tudo nessa vida, as técnicas de segurança do trabalho evoluem a cada dia que passa. Pensar que sabe tudo é uma atitude que resulta em fracasso grande parte das vezes. Mas como se atualizar sobre segurança do trabalho?

Primeiramente, é importante ficar atento às novas tecnologias, que podem auxiliar muito a melhorar a segurança e saúde do trabalhador. Outro ponto a se atentar é em relação às normas seguidas, que podem sofrer mudanças com o passar do tempo. E por fim, é importante entender que ambientes diferentes exigem técnicas diferentes. Não dá para aplicar as mesmas normas de uma mineradora em um ambiente hospitalar, certo?

Reduzir os acidentes de trabalho deve ser meta de qualquer indústria, seja qual for o seu custo. Afinal, nenhum acidente é benéfico para a empresa, pois envolve a interrupção das atividades, processos trabalhistas e outros fatores que representam apenas prejuízo. Isso sem nem falar que acidentes graves podem tirar a vida de alguém.

Então, fica claro que investir em treinamentos e bons equipamentos de segurança do trabalho na indústria é essencial. Como falamos desde o início desse texto, é importante que todos estejam alinhados em conhecimento e conscientização.

Se você quer saber mais sobre o assunto e conhecer mais sobre treinamentos em segurança no trabalho, entre em contato com a Previnsa!

Você pode gostar
Treinamento de Emergências: como implementar em sua empresa?
NR 20: entenda as atualizações desta norma

Deixe seu comentário

Seu Comentário*

Seu Nome*
Seu Site

Share This